Artigo incluído na revista Volume VIII :: No.1 :: Julho 2012

Pesquisa Empírica

Sem tempos: entre a jornada de trabalho feminino e a maternidade num contexto laboral flexível

Constanza Gómez Rubio1, Karina Pérez Plaza2 & Denise Dussert Chervellino3
(1) Becaria CONICYT, Área Psicología del Trabajo y de las Organizaciones, FACSO, Departamento de Psicología, Universidad de Chile Capitán Ignacio Carrera Pinto 1045, Ñuñoa - Santiago de Chile
constagomez@u.uchile.cl
(2) Carrera de Psicología, Universidad de Chile Capitán Ignacio Carrera Pinto 1045, Ñuñoa - Santiago de Chile
kperez@ug.uchile.cl
(3) Carrera de Psicología, Universidad de Chile Capitán Ignacio Carrera Pinto 1045, Ñuñoa - Santiago de Chile
ddussert@ug.uchile.cl
Resumo

Este artigo tem como objectivo abordar algumas das problemáticas atuais que afetam as mulheres chilenas de classe sócio-económica média, residentes em Santiago, na sua integração nas dinâmicas de trabalho. Para isso, foram realizadas entrevistas, cuja análise colocou em evidência três eixos de interpretação: as condições de trabalho e de emprego em relação com os riscos e as consequências para as mulheres trabalhadoras, a flexibilidade do trabalho feminino e, finalmente, a maternidade como início e fim da dupla jornada de trabalho. Os resultados encontrados mostram que a presença de fatores intra e extra organizacionais interferem nas avaliações sociais do trabalho e do emprego exercido pelas mulheres, conduzindo a uma consequente precarização, devido, em grande parte, à flexibilização dos horários. Trata-se de salvaguardar a qualidade de vida, uma justificação que legitima a dupla jornada de trabalho, e as tensões decorrentes desta situação.

Palavras-chave trabalho, emprego, flexibilidade laboral, maternidade.