Artigo incluído na revista Volume VIII :: No.1 :: Julho 2012

Pesquisa Empírica

Relações sociais de gênero e divisão sexual do trabalho: desafios para a compreensão do uso do tempo no trabalho docente

Carolina Faria Alvarenga1 & Cláudia Pereira Vianna2
(1) Departamento de Educação - Universidade Federal de Lavras
Campus Universitário - Caixa Postal 3037, Lavras
Minas Gerais - Brasil
carol_alvarenga@ded.ufla.br
(2) Faculdade de Educação – Universidade de São Paulo
Avenida da Universidade, 308
São Paulo - Brasi
cpvianna@usp.br
Resumo

Ao conceito de gênero cabe a tarefa de problematizar os significados
do que é ser mulher e homem nos distintos contextos históricos. O
conceito de divisão sexual do trabalho possibilita examinar como
essa divisão cria uma força de trabalho feminina, vista como mão de
obra barata para certos tipos de afazeres, e como produz relações
desiguais, hierarquizadas e assimétricas de exploração e opressão.
Nesse sentido, propomos a articulação entre os conceitos de gênero e
de divisão sexual do trabalho para a compreensão do uso do tempo no
trabalho docente. Com base em pesquisa empírica de caráter
qualitativo, desenvolvida com professoras e professores de uma
escola de São Paulo entre 2006 e 2007, enfatizamos o caráter sexuado
do trabalho docente, mas questionamos a dicotomia entre tempos de
trabalho econômico maiores para os homens e tempos de trabalho para
a reprodução social maiores para as mulheres, constatada na análise
de outras profissões.

Palavras-chave relações de gênero, trabalho docente, divisão sexual do trabalho, tempos de trabalho docente.