Artigo incluído na revista Volume VIII :: No.1 :: Julho 2012

Pesquisa Empírica

Relações de gênero e gestão dos tempos – a articulação entre o trabalho profissional e doméstico em equipes de enfermagem no Brasil

Lúcia Rotenberg1
(1) Laboratório de Educação em Ambiente e Saúde, Instituto Oswaldo Cruz, Fiocruz,
Av. Brasil 4365, Manguinhos
Pavilhão Lauro Travassos
Rio de Janeiro, RJ, Brasil 21.045-900
rotenberg@ioc.fiocruz.br
Resumo

O artigo aborda os tempos de trabalho profissional e doméstico, com base no pressuposto de que o tempo é a matéria prima através da qual as relações de gênero se expressam nas práticas sociais. A partir da obra de Norbert Elias, busca refletir sobre os tempos de trabalho nas esferas pública e doméstica sob uma perspectiva relacional. As noções de configuração e interdependências são articuladas à proposição de divisão sexual do trabalho (Kergoat, 2009). O texto descreve resultados de pesquisas com equipes de enfermagem no Brasil através de técnicas qualitativas e quantitativas. A centralidade do trabalho doméstico permeia a vida das trabalhadoras, demandando a gestão de complexas relações entre as esferas doméstica e profissional, com repercussões à saúde. O texto ressalta a necessidade de instrumentos de investigação sensíveis à divisão sexual do trabalho com vistas a subsidiar discussões sobre políticas sociais voltadas para a reprodução social, como propõem Dedecca, Ribeiro e Ishii (2009) no contexto brasileiro.

Palavras-chave relações de gênero, gestão do tempo, trabalho profissional, trabalho doméstico, saúde.