Artigo incluído na revista Volume VI :: No.2 :: Dezembro 2010

Arqueologia Do Conhecimento

Pão e veneno. Reflexões para uma investigação sobre o “ambientalismo do trabalho” em Itália, 1968-1998

Stefania Barca1
(1) Centro de Estudos Sociais
Universidade de Coimbra (PT)
sbarca@ces.uc.pt
Resumo

Este artigo oferece uma reflexão preliminar para a investigação histórica sobre um aspecto até hoje pouco considerado do ambientalismo italiano: o que vou chamar "ambientalismo do trabalho", isto é as lutas pela saúde nos ambientes de trabalho e de vida da classe trabalhadora. A história começa desde um encontro – entre uma geração de “especialistas” em higiene industrial e uma outra de trabalhadores/as de fábrica – que teve lugar no coração do triângulo industrial italiano entre os anos ´60 e ´70. Este encontro produziu novas formas de consciência ambiental e acção política, o que denominarei “ambientalismo do trabalho”. Em seguida, a narração move-se para uma área de indústria petroquímica no Sul da Itália entre os anos ´70 e ´90, onde as contradições da relação entre trabalho, saúde e meio ambiente explodiam e se reconfiguravam em diferentes formas. A minha intenção neste artigo é a de sugerir uma nova interpretação dessas lutas, inspirada por uma recente literatura histórico-ambiental sobre a nocividade industrial.