Artigo incluído na revista Volume XII :: No.1 :: Julho 2016

Pesquisa Empírica

Os usos do corpo-si no trabalho de transformação de granitos: evidências para saúde e segurança

Thiara De Ângeli Porto1 & Mônica de Fatima Bianco2
(1) Programa de Pós-Graduação em Administração
Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas
Universidade Federal do Espírito Santo
Av. Fernando Ferrari, 514, Goiabeiras,
CEP: 29075-910
Vitória - Espírito Santo, Brasil
thideangeli@gmail.com
(2) Grupo de Estudos em Trabalho Ergologia e Gestão (GETERGE)
Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas
Departamento de Administração
Universidade Federal do Espírito Santo.
Av. Fernando Ferrari, 514, Goiabeiras,
CEP: 29075-910
Vitória - Espírito Santo, Brasil
mofbianco@gmail.com
Resumo

A análise ergológica é desenvolvida, tanto quanto possível, privilegiando o ponto de vista da atividade e com o intuito de evidenciar o debate de normas e de valores que em permanência renovam a atividade humana. A pesquisa foi conduzida numa empresa de transformação de granito do Estado do Espírito Santo, no Brasil. O objetivo consistiu em compreender os usos do corpo-si, tal como se configuram na tentativa de preservação da saúde e da segurança, no contexto dos processos de umidificação, associados ao tratamento do granito. Partindo do acompanhamento de processos concretos de trabalho - e assumindo a postura de um cartógrafo, através da exploração dos dados recolhidos no âmbito de um diário de campo, bem como no contexto de entrevistas conduzidas com dez trabalhadores - o estudo revelou exemplos de modos de uso do corpo-si na gestão da saúde e da segurança, na atividade em análise. Tornou-se visível um recurso inapropriado dos EPI’s à disposição, e a ausência de consciência das potencialidades decorrentes dos equipamentos de proteção coletiva (EPC), comprometendo-se desta forma o acesso a condições de trabalho dignas, e a preservação da saúde e segurança dos trabalhadores.

Palavras-chave processos de trabalho, ergologia, saúde e segurança, beneficiamento de granitos.