Artigo incluído na revista Volume III :: No.2 :: Dezembro 2007

Revisão Temática

As implicações psicossociais do trabalho precoce dos meninos e meninas em condição de rua

Maria de Fátima Pereira Alberto1
(1) Universidade Federal da Paraíba
R. Sebastião Interaminense, nº 369 Edifício Porto Lugano, Apartado 202, CEP 58.036-300 Bessa João Pessoa Paraíba – Brasil
jfalberto@uol.com.br
Resumo

Este artigo versa sobre o trabalho precoce em condição de rua nas atividades de vendedores no sinal de trânsito, vendedoras de quentinha, olheiros de carro e meninas em situação de exploração sexual comercial. Compreende-se que a inter-relação das condições de trabalho com a organização do trabalho tem implicações para a saúde física e mental. Utilizam-se como referências autores que abordam o campo da saúde mental, trabalho e subjetividade, particularmente a Psicossociologia, a Teoria do Desgaste, a Ergonomia e a Psicodinâmica do Trabalho. Usou-se a metodologia qualitativa e, como técnicas, quatro conjuntos de procedimentos: territorialização, observação sistemática, entrevistas (individuais e coletivas) e histórias de vida. Os resultados mostraram que a inserção precoce é nefasta na vida dessas crianças e adolescentes, com implicações psicossociais que aparecerão nos seguintes aspectos: imagem negativa de si e baixa auto-estima; adultização precoce; defasagem escolar; socialização desviante e falta de perspectivas de futuro.

Palavras-chave trabalho infantil, trabalho precoce, implicações psicossociais e saúde.